Devaneios Noticia

Uma carta para meu ex-amor?

Já se passa das 2 da manhã e como eu e você sabemos, nada de bom acontece após esse horário. Porém toda regra tem sua exceção não é mesmo? Lembra de como nos conhecemos? Aquela festa de rua, nós já eramos amigos, mas aquele dia aconteceu o olhar, o encontro de verdade, e eu senti, senti que te amaria, te protegeria, mas hoje, nem sei que dia é hoje, perdi a noção de tempo depois da segunda dose de whisky. Me perdoe pelo que eu irei dizer aqui, mas espero que me entenda, nem mesmo o whisky justificará o que vou dizer, porém um coração partido não mente, ele apenas chora.

Vamos começar, já disse sobre a noite que nos conhecemos certo? E você se lembra que era ano novo? Eu de branco, você de branco com um shorts que me deixou louco no primeiro contato, ah como você é linda… Nós nos beijamos aquele dia, e aquele beijo me disse muita coisa, só não disse que eu sofreria por ter criado expectativas. Mas logo após esse dia nos tornamos “amigos”, as aspas é para demonstrar que sempre que te via conversando com outro cara me segurava para não gritar a todo o pulmão um EU TE AMO repentino. Mas segui em frente como amigo, e um dia depois de algum alinhamento das estrelas nós voltamos a nos beijar e começamos um relacionamento.

Esse relacionamento começou como uma comédia romântica, Netflix aos domingos, dormir de conchinha no frio, esses 11 meses e 28 dias foram mágicos, viagens para lugares onde jamais pensei ir, conversas que se iniciavam do nada, sorrisos que se desabrochavam como um girassol… E como seu sorriso é lindo, ele é lindo demais…

Porém tudo na vida dura pouco certo? Com o passar dos meses veio as brigas, a falta de confiança. Sei que não deveria ter beijado a “outra”, mas eu estava confuso, oprimido pelo compromisso que me afogava, afogava, e ia me deixando com as visão turva, e assim me perdi, deixei as manhãs de domingo de lado, as viagens, nem se fala, todas foram uma droga. Mas saiba que você também teve culpa sua vagabunda! Como pôde querer colocar rédias em mim, me privar do meu sonho?! Você não merece o meu amor, não merece…

Os motivos por tudo isso, você já sabe de cor, apenas lembre, lembre de tudo, eu espero. Lembrou? Então me diga, por que acabou, culpa de um, de dois, de três, culpa da vida? Eu não sei ao certo, apenas sei que eu não te amo mais…

Estou de volta, já são 6 da manhã, o sol está me abraçando pela janela, o meu copo de whisky (ou seja lá o que estou bebendo) brilha com os raios do gigante vermelho, e assim com o surgimento do pôr do sol eu me lembrei, lembrei que a “culpa” foi nossa, a culpa foi minha, sua, nossa, por que um casal não é 2 indivíduos, é um par que deve ser levado em sintonia. Não quero me alongar nesta carta, espero que o meu amigo corrija os erros do meu português e que você entenda uma coisa:

Eu não faço essa carta com raiva de você e sim de mim, por saber que….

Sobre o autor

Eduardo Sena

Publicitário, amante de séries e apaixonado por HIMYM, cineasta nas horas vagas e escritor quando tem ideias.
Twitter: @himymsenna